Inove como uma start-up! (Com 5 passos)

Inove como uma start-up! (Com 5 passos)


Será que os líderes de empresas incumbentes conseguem levar as suas organizações a inovar como se fossem start-ups? – Sim, conseguem. Só têm de implementar dinâmicas internas e envolver mais os colaboradores no processo. 

Cada vez mais, as empresas estabelecidas precisam de encontrar formas de agitar os mercados para evitarem ser atropeladas por rivais novas e mais ágeis. Mas é possível inovarem como se fossem start-ups? Matt Chapman, vice-presidente & head de EMEA & APAC Innovation Services na americana Spigit, considera que sim, e dá cinco dicas nesse sentido.

1. Proporcionar recompensas com significado
Criar envolvimento é crucial para o sucesso da inovação, e é algo que pode ser alcançado pelo líder da empresa ao seguir os princípios dos jogos/gamificação. Ou seja, os trabalhadores precisam de se sentir recompensados e reconhecidos na maioria das tarefas que levam a cabo e, no que diz respeito à inovação, este aspeto é decisivo. Faça com que valha a pena inovar, ao incentivar os seus colaboradores a participarem em programas de inovação – pode ser através de uma recompensa em dinheiro, mediante louvor e reconhecimento público (com uma tabela de classificação, por exemplo) ou uns dias de férias extra por terem apresentado uma ideia vencedora.

2. Estabelecer programas de incubação
Permitir que um pequeno grupo de funcionários se concentre em exclusivo num projeto de inovação pode criar uma mini start-up dentro da sua empresa. E se lançar um programa de incubação ou “laboratório de inovação”, alivia o grupo escolhido dos constrangimentos e questões de hierarquia. Ao separar os inovadores internos mental e fisicamente da maneira como o negócio é normalmente feito pode ajudá-los a pensar “fora da caixa”. Há multinacionais que estão a apostar nesta abordagem e a lançar incubadoras a nível interno, como a Tesco ou a Accenture.

3. Distribuir prémios internos de empreendedorismo
Mas se não tem hipótese de alocar um grupo de funcionários especificamente para a inovação, pode sempre permitir que os colaboradores apresentem, individualmente, as suas melhores ideias. Esta medida pode ser igualmente eficaz. E pode ser realizada através do lançamento de um concurso de inovação – é como se estivesse a implementar na sua empresa um Shark Tank (programa de televisão em que os participantes apresentam os conceitos de negócio a potenciais investidores a fim de obter financiamento) –, em que o melhor candidato obtém apoio financeiro e ganha tempo para concretizar a ideia. A Intel tem um programa de apoio focado na sustentabilidade em que os funcionários recebem financiamento de alguns milhares de dólares para executarem uma ideia ou projeto inovador que ajude a cortar custos e o desperdício ou a aumentar as receitas. Este género de incentivos pode ajudar a manter os colaboradores na empresa e a minimizar a saída dos que queiram avançar sozinhos com uma start-up.

4. Pensar… pequeno
Os esforços das empresas para promover um programa de inovação de sucesso são muitas vezes travados por uma tendência por almejar demasiado alto, ou pela falta de compromisso por parte dos investidores/responsáveis pelo orçamento para manter as iniciativas em andamento. A maioria das empresas exige retorno de pelo menos três a quatro vezes face o investimento realizado nos programas de inovação. Não se espera que, na primeira tentativa ou iniciativa de inovação, invente o próximo produto de transformação, como o iPhone. Ir avançando com uma série de pequenas mudanças pode ser tão eficaz como uma única ação a curto prazo e com grande impacto. Além de que, ao estabelecer uma meta no início dessa série de mudanças, estará a criar entusiasmo e a angariar apoio de todos na empresa, estabelecendo processos e a incentivar mais funcionários a envolverem-se. Esta dinâmica também poderá ajudar a manter do seu lado os responsáveis pela área financeira, garantindo que vai tendo investimento antes de tentar avançar com um projeto mais ambicioso.

5. Redirecionar a cultura
Convencer a organização em relação à mais-valia que é inovar é a chave para o sucesso a longo prazo – o que faz da comunicação um elemento crucial. Tal pode ser conseguido através de uma campanha de marketing interno para gerar interesse e partilhar os resultados. Não tem de ser um processo complicado ou caro – pode criar entusiasmo com a colocação de anúncios ou teasers nos espaços públicos do escritório, ou com a partilha nas plataformas internas, como a intranet. Pense bem na sua identidade empresarial, como a inovação se encaixa, e o que é apelativo para a sua equipa. Por exemplo, a seguradora MetLife denominou a sua plataforma de inovação de Linus (lembra-se do Snoopy?) por se encaixar na cultura da companhia. Linus é a personagem pensativa e bem-informada, pelo que fazia sentido dar o seu nome ao portal de inovação – integrando melhor a inovação na cultura da empresa e conferindo uma identidade distinta ao programa.

Ao criar o ambiente de trabalho certo e a oportunidade de inovar, sem esquecer de delinear uma estratégia realista, bem como de proporcionar as recompensas e incentivos certos, qualquer que seja a dimensão da sua empresa e o setor em que opera, tem a hipótese de construir um programa de inovação realmente eficaz. 

26-04-2017

Fonte: Director.co.uk