LBA logo Thumb

logo 149 University of São Paulo USP

NovaSBE Logo Thumb

Harvard logo thumb

LBA - Curso Prático de Elevator Pitch - Portugal

Tem três minutos para explicar a sua ideia. O tempo que demora uma viagem de elevador. Pretende que os seus companheiros de viagem adiram ao que tem para lhes apresentar. Está preparado? Incremente a sua ideia de negócio e a sua proposta de valor.....

Faculdade de Economia e Administração/Universidade de São Paulo - MBA Administração

OMBA Administração forma agentes de mudança e profissionais capacitados a liderar equipas e a gerir, profissionalmente, os mais variados negócios. Este destaca-se pela abrangência do conteúdo programático, que vai das finanças ao marketing,.....

GSI - International Executive Program In Silicon Valley

O Global Strategic Innovation: International Executive Program & International Entrepreneurial Program, In Silicon Valley, é um programa de promoção do empreendedorismo, inovação, internacionalização e exportação, promovido pela Leadership.....

Stanford - Executive Leadership Development

Ocurso Executive Leadership Development: Analysis to Action foi desenhado para os novos líderes que irão conduzir a organização nos desafios de negócio de amanhã. Este programa irá fortalecer as ferramentas analíticas dos participantes, a sua.....

Outras Oportunidades de Desenvolvimento

  
A médio prazo, a competitividade dos países de língua oficial portuguesa e a qualidade de vida dos seus cidadãos vai depender grandemente do que fizerem a partir de agora na adaptação do ensino ao meio digital, da correção das estratégias individuais e coletivas que adotarem a este respeito, e da determinação e sentido de urgência que colocarem na sua implementação.

CMO-PL

A Educação no Digital Vai Ter Um Impacto Superior ao Esperado


À medida que o acesso à internet se vai alargando a todos os cantos do mundo e que os custos de acesso se vão esbatendo, nomeadamente pela via móvel, o acesso à informação e ao conhecimento digital presentes na internet ficam ao alcance de todos, pobres e ricos, de forma cada vez mais igualitária.

A importância relativa da informação e do conhecimento na competitividade e na qualidade de vida vai assim continuar a aumentar no futuro. Deste modo, crescentemente, dois fatores vão ser cada vez mais relevantes para determinar o desenvolvimento de um país e das pessoas individualmente: i) o nível e o custo de acesso à internet e ii), a utilização efetiva da mesma, dependente dos níveis de educação tradicional e digital da população ou do indivíduo, e da inserção das TIC nas atividades económicas, sociais e na administração pública.

Um grande número dos estudos sobre o impacto das tecnologias de informação e comunicação no futuro, identifica o setor da educação como sendo aquele que terá mais transformações, entre todos. Novos modelos de ensino emergirão aos quais os países e os indivíduos terão de se adaptar. Assim, não há opções neutras. Não fazer nada é ficar para trás.

Nesta sociedade global da informação e do conhecimento, é pois claro que a educação em geral e o ensino adaptado ao meio digital vão determinar cada vez mais a competitividade e a qualidade de vida dos cidadãos. Deste modo, os países que corretamente e em tempo útil compreenderem que têm de adaptar o seu sistema de ensino a este novo paradigma, serão os que melhor estarão daqui a uns anos. A definição e as implementações de estratégias estruturadas, abrangentes e de longo prazo, para adaptação a este novo paradigma é chave, visto que ações pontuais e de marketing apenas irão gerar entusiasmos vazios de efeito real e de curto prazo e frustrações no longo prazo.

A Armadilha do Efeito Porta-Aviões

A adaptação do sistema de ensino ao novo paradigma é um processo complexo e que envolve alguma tentativa e erro, devendo este evoluir por etapas, uma vez que está repleto de interdependências e que requer a utilização de vastos recursos.

Embora haja alguns ganhos de curto prazo, o grande impacto das ações que agora se implementarem só se fará sentir daqui a uma ou duas décadas. Assim sendo, os governos poderão hesitar e optar por esperar que as coisas evoluam por si. Esta opção constitui um grande perigo, pois como em qualquer processo social de ciclo longo, quando os decisores acordarem para a necessidade de atuar de forma estruturada já será tarde para “inverter a rota do porta-aviões” (que demora muito a mudar de direção). A gestação normal de um filho não se faz em menos de 9 meses, as florestas que proporcionaram as madeiras longas necessárias para a construção dos navios da era dos descobrimentos levaram várias décadas a crescer. Do mesmo modo, a construção dos ecossistemas económico-sociais a nível nacional, necessários para evoluir o ensino para um novo paradigma suportado pelo digital, demora muitos anos a maturar e a desenvolver. Quem se atrasar, só irá ver num futuro já tardio que deveria ter começado mais cedo.

A Necessidade de Estadistas de Visão Longa

Uma das regras competitivas da internet é o fator escala. Vários estudos apontam para o eventual surgimento de grandes provedores mundiais de ofertas educativas, bem como de ofertas especializadas em modelos de negócio tendencialmente dominantes a nível global.

Por este motivo, todos os países que têm o português como língua oficial beneficiariam grandemente se conseguissem definir estratégias e projetos comuns de educação através do digital e da internet. Será uma daquelas situações em que se juntam ou ficarão todos muito prejudicados. Mas para isso, é necessário ter estadistas informados, com visão de futuro e com coragem para liderar e fazer as coisas acontecerem com benefício de todos os envolvidos.


Carlos Miguel Valleré Oliveira é CEO da Leadership Business Consulting, empresa internacional de consultoria de gestão presente em 8 países, África do Sul, Angola, Brasil, Cabo Verde, Estados Unidos da América, Espanha, Moçambique e Portugal. Mais informações aqui.

[Colunistas]                                                                                [Topo]


Flavio-Quembe-Mocambique-1Flávio Quembo, Presidente da Associação Nacional de Jovens Empresários de Moçambique (ANJE), refere que "os altos investimentos provenientes da descoberta de recursos naturais irão alargar as oportunidades de negócio no país", alertando que "É crucial que tomemos as decisões certas para permitir a inclusão de todos no processo de exploração e rentabilização dos benefícios daí provenientes".    


Portal da Liderança (PL):  Quais os desafios que se lhe apresentam, enquanto Presidente da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE)?

Flávio Quembo (FQ): Promover e fazer combinar a vontade política, as ações do sector privado e a intenção e capacidade dos jovens criarem e gerirem melhor os seus negócios.

PL: Qual a situação que o fez aprender mais em termos de liderança e o que aprendeu?

FQ: O início ou a criação da ANJE foi com certeza a fase de maior aprendizagem, pois é um grande desafio levar jovens, recém-formados e com muitas despesas e expetativas, a trabalhar em regime de voluntariado. Com isso, aprendi que a maior motivação do homem não é o dinheiro, mas sim a sua crença.

PL: Quais os principais desafios que se colocam hoje ao empreendedorismo em Moçambique?

FQ: O maior desafio neste momento em Moçambique é a urgência de se produzir um estudo científico sobre o empreendedorismo, que sirva de base ou diagnóstico situacional para recomendar com clareza o desenho e implementação de uma Política Nacional do Empreendedorismo, visando responder às atuais barreiras enfrentadas por quem quer começar e desenvolver o seu negócio no país.

PL: Que sectores são hoje mais promissores ao investimento e empreendedorismo no país?
Flavio-Quembe-Mocambique-2
FQ: A prestação de serviços, no geral, tem sido uma saída para quem tem barreiras no acesso a capital inicial considerável, como é o caso dos jovens. Porém os altos investimentos provenientes da descoberta de recursos naturais irão alargar as oportunidades de negócio no país.

PL: Qual a importância que os jovens tomam no crescimento e no desenvolvimento empresarial moçambicano?

FQ: Os jovens constituem a maioria populacional em Moçambique, pelo que são a maior força produtiva do país, mas não apenas por via de MPME. Até mesmo no sector informal são os maiores fornecedores de bens e serviços à cadeia de suprimentos pública e privada no país. Podemos, por isso, considerá-los cruciais para o crescimento e desenvolvimento empresarial moçambicano.

PL: O que falta em Moçambique para as empresas serem mais inovadoras e capazes de manterem o foco e de atingirem os resultados ambicionados?

FQ: Moçambique é um país com uma economia em franco crescimento, porém embrionária. O que está em falta, neste momento, é uma “atitude” das pessoas favorável ao desenvolvimento empresarial inovador e produtivo, fruto da educação e da cultura. A atitude pode ser traduzida em termos de valores concretos, como:
  1. A ética como princípio básico;
  2. A integridade;
  3. A responsabilidade;
  4. O respeito pelas Leis e Regulamentos;
  5. O respeito pelo direito dos demais cidadãos;
  6.  O amor ao trabalho;
  7. O esforço pela poupança e pelo investimento;
  8. O desejo de superação;
  9. A pontualidade;
  10. A ordem e a limpeza;
  11. Falta de atitude;
  12. Falta de vontade cumprir e ensinar os princípios acima.

PL: O que perspetiva para Moçambique daqui a cinco anos?

FQ: Nesta fase em que se abre uma nova página na história do País, é crucial que tomemos as decisões certas para permitir a inclusão de todos os moçambicanos no processo de exploração e rentabilização dos benefícios daí provenientes. Se, de facto, isso se verificar, dentro de cinco anos poderemos vislumbrar um novo Moçambique, onde o jovem pode decidir sobre a sua opção de carreira, considerando o empreendedorismo uma alternativa concreta para quem reúne atitude, conhecimentos e capacidade para conceber e gerir um negócio concreto. Obviamente, terão sido definidos padrões de qualidade e a cultura de inovação fará parte desta economia competitiva e repleta de oportunidades de desenvolvimento socioeconómico. Esperamos que as oportunidades decorrentes dos megaprojetos sejam nessa altura inclusivos para os moçambicanos, estimulando o desenvolvimento de negócios, mas também um clima favorável ao desenvolvimento individual e coletivo.

PL: Quais são os três principais desafios que confrontarão os líderes nos próximos 10 anos?
  • A conciliação do desenvolvimento económico com o capital humano, tendo em conta o estado atual não ideal, em que as pessoas não participam no boom do petróleo, gás, carvão, por falta de know how;
  • A reorientação das políticas de desenvolvimento, focadas na edução empreendedora para obter recursos humanos qualificados, pois, na nova economia, o capital intelectual é mais valioso do que o capital material, ou seja, a força de trabalho do futuro estará ligada à criatividade e ao inteleto e não a atividades repetitivas;
  • A implementação de políticas financeiras que visem impulsionar o surgimento e crescimento de MPMEs.
 Flavio-Quembe-Mocambique-3
PL: Quais são as três qualidades mais importantes para um líder nos próximos 10 anos?
  • Responsabilidade - Capacidade de realização e de comunicação de ações de grande impacto socioeconómico;
  • Carisma - Capacidade de influenciar as ações e comportamentos dos outros para o melhor;
  • Talento - Habilidade de capitalização das oportunidades disponíveis no seu meio envolvente. 


PL: Nelson Mandela tinha as pessoas como inspiração. Já Henry Ford encontrava inspiração no desafio constante dos limites da imaginação. O que o inspira a si?

FQ: A minha inspiração é resultado direto do meio e momento onde nasci e cresci. Inspiro-me nas dificuldades e barreiras dos homens e mulheres com quem convivo no dia a dia, mas também nas oportunidades existentes neste país belo e próspero que começam a traduzir-se numa transformação social, política, económica e tecnológica positiva. Inspiro-me particularmente em poder fazer parte deste processo de transformação, como um ator indispensável, capaz de propor e executar soluções concretas de desenvolvimento. Não poderia imaginar-me noutro lugar, nem noutro momento, se não neste.

PL: Um dia, o que é que o mundo vai dizer de si?

FQ: Um homem que não tinha medo de se juntar aos melhores, para criar mudanças de impacto social e económico para a maioria.


Continue a ler:


Flávio Quembo Samora nasceu a 22 de Março de 1984 em Tete. Filho de um funcionário dos CFM e de uma enfermeira, é oriundo de uma família humilde que sempre defendeu a importância de ter uma profissão. Por esse motivo, apostou numa formação com forte componente técnica. Depois de ter concluída a sua formação técnica, em 2005, trabalhou, em Maputo, durante 5 anos como Técnico de Construção de Estradas e Pontes e decidiu fundar a Associação dos Técnicos Médios Profissionais – ATEMP, com o objetivo de defender a Classe Técnica Media Profissional em Moçambique. Em 2009, com mais quatro colegas técnicos, decidiu criar uma empresa de construção civil denominada ENGITEC. Foi nessa fase que, ao aperceber-se dos desafios que a estruturação e gestão de uma empresa ofereciam, decidiu juntar-se a alguns jovens para formar a ANJE, organismo que se pretende aglutinador e defensor dos interesses dos Jovens Empresários.

[Leia aqui mais entrevistas]                                                                   [Topo]


sede
Portugal - Lisboa
Av. da Liberdade, 190 - 5º B
1250-147 Lisboa, Portugal
Telf.: +351 213 581 060
Fax: 213 581 061
E-mail: info@portaldalideranca.pt 



Porto
Edifício Les Palaces
Rua Júlio Dinis, nº 204, 3º - Sala 310
4050-318 Porto
Telf.: +351 22 609 08 71 /72 /73
Fax: 22 609 08 74
E-mail: info@portaldalideranca.pt 

Angola
Rua Rei Katyavala, Edificio Katyavala, 7º - C (Office)
República de Angola
Telf.: 00 244 924 303 903
E-mail: info@portaldalideranca.pt 

África do Sul
CNR JAN SMUTS AVE & WILLIAM NICOL DRIVE,
South wing, fifth floor - Hyde Park Shopping Center,Johannesburg
South Africa
Telf.: +27 11 029 0767 
E-mail: info@portaldalideranca.pt 

Brasil
Rua Maestro Cardim 1273 | 1º Andar
Paraíso - São Paulo - Sp01323-001 - Brasil
Tel. +5511 2384 2794
Cel. +55 11 96084 0330
E-mail: info@portaldalideranca.pt 

  Cabo Verde
Rua Infante D. Henrique
Ed. Império I - A, 21 RC Esq
Palmarejo
CP 912 
Praia - Cabo Verde
Telf.: 00238 262 01 11
E-mail: info@portaldalideranca.pt 

Espanha
c/ Serrano, nº 93 – 6ª Planta
28006 Madrid – Espanha
Telf.: +34 91 563 13 49
E-mail: info@portaldalideranca.pt 

E.U.A.
1355 Market St. Suite #488
San Francisco, CA 94103
Telf.: +1 415 544 76 50
E-mail: info@portaldalideranca.pt 

Moçambique
Edifício Patamar, 3º Piso
Bairro da Sommershield 
Maputo - Moçambique
Telf/Fax.: +00258 21487611
E-mail: info@portaldalideranca.pt 











Bem-vindo ao Portal da Liderança!

Destinado aos líderes da lusofonia, este website conta regularmente com líderes de destaque que nele partilham as suas experiências e conselhos e onde, para além das entrevistas exclusivas, encontrará artigos, vídeos, noticias, sugestões de leitura e programas de desenvolvimento relacionados com a prática da liderança.

Sendo um parceiro do portal SAPO, tem como base a excelência e a qualidade, com conteúdos exclusivos e selecionados entre os melhores e mais credenciados especialistas a nível mundial.

A rede estende-se para ligar todos os líderes da lusofonia. Partilham-se conhecimentos e experiências, dão-se sugestões e potencia-se a melhor liderança, o líder positivo e eficaz, que concretiza e expande o negócio.

É, foi, deseja vir a ser um líder inspirador, positivo, eficaz e bem-sucedido?
Então este é o sítio certo para si.

Sente-se e sinta-se convidado a ficar e a ser membro deste webclub. Faça deste espaço o seu espaço. Estamos aqui para si.

Portal da Liderança, uma comunidade de líderes.


Sobre o Portal da Liderança:
Sendo um parceiro do portal SAPO nos diferentes países da lusofonia, disponibiliza entrevistas exclusivas a key leaders, artigos, vídeos, noticias, assessments, sugestões de leitura e programas de desenvolvimento relacionados com a prática da liderança, tendo em vista a partilha de experiências e a aproximação dos líderes da lusofonia numa liderança cada vez mais efetiva e eficaz.

Sobre a Leadership Business Consulting:
A Leadership Business Consulting é uma empresa internacional de consultoria de gestão, com sede em Portugal e presença em Espanha, Angola, África do Sul, Cabo Verde, Moçambique e Califórnia. A LBC está empenhada em garantir os mais elevados padrões de qualidade e valores profissionais, através de uma prestação de serviços muito personalizada com base em centros de competência de estratégia e finanças, organização e gestão da mudança, gestão do capital humano, operações e performance, marketing e vendas, e tecnologias de negócio.


404Pedimos desculpas, mas a página que procura não pode ser apresentada.
Regresse ao inicio do site clicando aqui

A equipa do Portal da Liderança agradece.

Mais artigos...

  1. Politica de Privacidade

Apoio:http://www.portaldalideranca.pt/logos_apoios.png